Quarta-feira
23 de Setembro de 2020 - 

Controle de Processos

Usuário
Senha

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Newsletter

Nome:
Email:

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
18ºC
Min
14ºC
Chuva

Quinta-feira - São Paulo, SP

Máx
25ºC
Min
16ºC
Possibilidade de Chu

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,43 5,43
EURO 6,36 6,36
IENE 0,05 0,05
LIBRA ES ... 6,91 6,91

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .

Últimas Notícias

16/09/2020 - 17h00Bispos de Minas têm reunião com presidente do TJMGReligiosos buscam diálogo para resolver demandas agrárias

  “Nossa luta é por uma sociedade mais justa, mais solidária e mais fraterna”, ressaltou o presidente Gilson Lemes, na foto com o desembargador Lailson Braga Baeta Neves Um grupo de bispos de Minas Gerais, liderado pelo arcebispo metropolitano de Belo Horizonte e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, se reuniu nesta quarta-feira (16/9), de modo online, com o presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Gilson Soares Lemes. Na pauta estavam o diálogo e a conciliação em casos judiciais e extrajudiciais de acesso à terra em regiões de conflito agrário. Os religiosos mostraram o desejo de buscar soluções pacíficas, servindo como mediadores, para atender as necessidades das populações que vivem em ocupações, cujas terras são requeridas, na maioria das vezes, judicialmente, o que gera conflitos no momento de o Executivo cumprir ordens judiciais expedidas. "Estamos buscando justiça para os mais vulneráveis, para evitarmos desgastes para os que precisam. Pretendemos caminhar juntos e enfrentar desafios impostos pelas ocupações. A CNBB decidiu atuar em um pacto pela vida", ressaltou Dom Walmor. O presidente do TJMG disse que a parte que tem a posse legal da terra geralmente é quem propõe a ação judicial requerendo a desocupação. Ele explicou que o juízo competente propõe, primeiramente, uma conciliação entre as partes, e, caso estas não cheguem a um acordo, a ordem judicial é expedida e cumprida pelo Executivo. Reunião abordou diálogo e conciliação em casos judiciais e extrajudiciais de acesso à terra em regiões de conflito agrário Conciliação como caminho Para o chefe do Judiciário mineiro, um caminho possível e amigável é as partes buscarem a solução de suas demandas no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de sua comarca. Das 297 comarcas do estado, em torno de 200 já têm seu Cejusc, e a meta da Presidência é implantar o Cejusc em 100% das comarcas. “Nossa luta é por uma sociedade mais justa, mais solidária e mais fraterna”, ressaltou o presidente do TJMG. Na oportunidade, se comprometeu a prestar informações sobre processos que envolvem conflitos agrários quando as autoridades religiosas de Minas solicitarem. Presenças Participaram ainda da reunião o desembargador Lailson Braga Baeta Neves, o bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte e secretário executivo do Regional Leste II da CNBB, dom Geovane Luis da Silva; o bispo diocesano de Divinópolis e presidente do Regional Leste II da CNBB, dom José Carlos de Souza Campos; o bispo diocesano de Guanhães e bispo referencial para Ação Social Transformadora do Regional Leste II da CNBB, dom Otacílio Ferreira de Lacerda; o bispo auxiliar da Arquidiocese de Belo Horizonte, dom Vicente de Paula Ferreira; e o bispo diocesano de Sete Lagoas, dom Francisco Cota de Oliveira.
16/09/2020 (00:00)
Visitas no site:  2168806
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia