Quarta-feira
23 de Setembro de 2020 - 

Controle de Processos

Usuário
Senha

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Newsletter

Nome:
Email:

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
18ºC
Min
14ºC
Chuva

Quinta-feira - São Paulo, SP

Máx
25ºC
Min
16ºC
Possibilidade de Chu

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,43 5,43
EURO 6,36 6,36
IENE 0,05 0,05
LIBRA ES ... 6,91 6,91

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .

TRF3 SELECIONA SEGUNDO CASO-PILOTO PARA IRDR QUE TRATA DE BENEFÍCIOS CONCEDIDOS ANTES DA CONSTITUIÇÃO DE 1988

A desembargadora federal Inês Virgínia, da Terceira Seção do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), selecionou um segundo processo para figurar como caso-piloto para o Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas (IRDR) nº 5022820-39.2019.4.03.000. A ação trata da readequação de benefícios previdenciários concedidos antes da promulgação da Constituição Federal de 1988 aos tetos instituídos pelas Emendas Constitucionais 20/1998 e 41/2003.  A magistrada também determinou o envio do precedente ao Setor de Cálculos do TRF3, para análise acerca da sistemática de cálculos utilizada nos processos-piloto, assim como sobre o estudo apresentado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) na audiência pública realizada no dia 30 de junho.   O encaminhamento dos processos-piloto aos servidores da contabilidade judicial também foi debatido na audiência pública. “A discussão da sistemática de cálculos pelos participantes da audiência pública revelou não apenas a importância desse instrumento participativo para minimizar ou compensar a limitação da capacidade institucional do Judiciário, como também ressaltou que o enquadramento do IRDR como meio processual objetivo não significa a desconsideração dos aspectos fáticos que permeiam os casos afetados”, afirmou a relatora.  A desembargadora selecionou o processo de nº 5003858-43.2019.4.03.6183, de sua relatoria, para figurar como segundo caso-piloto representativo da controvérsia objeto da ação. O outro se refere à Apelação Cível nº 5016916-50.2018.4.03.6183, de relatoria da desembargadora federal Lúcia Ursaia, a partir da qual se originou o IRDR atual.   “A escolha do processo-piloto, neste IRDR, foi feita pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), que geralmente ocupa a posição de réu nas ações em que se discute o tema ora objeto do Incidente. Portanto, entendo que cabe a escolha de outros feitos, para que estes integrem a presente lide, como processos-piloto, para complementar, enriquecer e equilibrar os argumentos envergados na inicial”, justificou.   Novos habilitados  A relatora admitiu a intervenção de novos interessados em participar da uniformização de jurisprudência sobre a temática do precedente. Foi acatado o pedido de habilitação de três autores de processos suspensos pelo IRDR, pois trouxeram ao debate inovação argumentativa para a resolução do precedente.  A magistrada também aceitou a participação do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP) como amicus curiae no incidente, em razão do trabalho de cunho científico-jurídico do instituto, assim como sua atuação em persos julgamentos de casos repetitivos afetos à área previdenciária.   Foram negados outros pedidos de habilitação, por não se enquadrarem nos requisitos para contribuir para a formação da tese que será firmada ou, ainda, por apresentarem considerações já contempladas por outros interessados.    Na decisão, a desembargadora federal destacou que a participação ampliada de autores no IRDR é permitida, desde que demonstrem a utilidade da sua intervenção. Em 30 de julho, o TRF3 realizou uma audiência pública com representantes do poder público, da sociedade civil e especialistas que debateram as teses jurídicas do incidente.    Demandas Repetitivas    O IRDR é um instrumento criado pelo Código de Processo Civil (CPC) para solução de controvérsias jurídicas que se multiplicam em grande número de processos no âmbito dos tribunais. O precedente atual foi instaurado pelo INSS e admitido por unanimidade pela Terceira Seção, no dia 12 de dezembro de 2019.   A autarquia previdenciária solicitou que fossem fixadas as seguintes teses jurídicas em precedente de observância obrigatória: “a) para os benefícios concedidos antes da promulgação da Constituição Federal de 1988 é vedada a utilização do RE 546.354-SE para fins de alteração do ‘menor valor teto’ ou, mais amplamente, de qualquer alteração da metodologia de cálculo do valor do benefício; b) considerando a ausência de limites temporais em relação ao decidido no RE 546.354-SE, tal readequação aos novos tetos estabelecidos pelas Emendas Constitucionais 20/98 e 41/03 depende da demonstração, na fase de conhecimento, que ocorreu limitação do benefício a 90% do ‘maior valor teto’, sob pena de improcedência da demanda”.   Ao aceitar a instauração do IRDR, o colegiado determinou também a suspensão dos processos pendentes, inpiduais ou coletivos, que tenham como objeto a temática do incidente. A medida é válida para ações que tramitam nas varas e nos Juizados Especiais Federais (JEF) das Seções Judiciárias dos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul.   Incidente de Resolução de Demandas Repetitivas 5022820-39.2019.4.03.0000   Assessoria de Comunicação Social do TRF3    www.twitter.com/trf3_oficial  www.instagram.com/trf3_oficial 
16/09/2020 (00:00)
Visitas no site:  2169000
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia