Sábado
05 de Dezembro de 2020 - 

Controle de Processos

Usuário
Senha

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Newsletter

Nome:
Email:

Previsão do tempo

Hoje - São Paulo, SP

Máx
24ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Domingo - São Paulo, SP

Máx
20ºC
Min
18ºC
Chuva

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,17 5,17
EURO 6,28 6,28
IENE 0,05 0,05
LIBRA ES ... 6,96 6,97

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . . . . .
Dow Jone ... % . . . . . . .

21/10/2020 - 12h11Encontro reúne juízes coordenadores de CejuscsOficinas abordaram temas práticos do dia a dia e os avanços na conciliação

  Encontro reuniu mais de 100 juízes coordenadores dos Cejuscs A Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef) encerrou nesta quarta-feira (21/10) o encontro de juízes de direito coordenadores dos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejuscs), com tutoria e aula síncrona (todos reunidos ao mesmo tempo, no mesmo ambiente virtual). Mais de 100 magistrados participaram do curso. Foram tutores e formadores da atividade o juiz coordenador do Cejusc de Belo Horizonte Clayton Rosa de Resende; a juíza adjunta do Cejusc BH, Dênia Francisca Corgosinho Taborda; o juiz coordenador do Cejusc de Muriaé, Juliano Carneiro Veiga; e o juiz coordenador do Cejusc de Ibirité, Júlio Ferreira Andrade.  O 3º vice-presidente do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), desembargador Newton Teixeira Carvalho, e o juiz auxiliar da 3ª Vice-Presidência do TJMG, José Ricardo Véras, atuaram como formadores. Boas práticas O curso teve início no dia 28 de setembro, quando foram realizadas oficinas virtuais sobre gestão, atribuições e boas práticas relacionadas ao Cejusc, e se encerrou com a aula síncrona nesta quarta-feira (21/10). O 3º vice-presidente, desembargador Newton Teixeira Carvalho, destacou que tem procurado incrementar o Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), criado com o objetivo de desenvolver em Minas Gerais uma política judiciária de tratamento adequado dos conflitos de interesses, conforme as diretrizes do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O 3º vice-presidente, desembargador Newton Teixeira Carvalho, destacou a importância do Cejusc virtual na conciliação de conflitos Durante o treinamento, de acordo com o desembargador, foi estimulada a proatividade dos juízes que atuam nos Cejuscs, para que resultados efetivos sejam alcançados. O magistrado destacou iniciativas já colocadas em prática em sua gestão, como o Cejusc virtual e a possibilidade de utilização do PJe nas tratativas de mediação e conciliação no pré-processual. O juiz auxiliar da 3ª Vice-Presidência do TJMG, José Ricardo Véras, conduziu as atividades. O magistrado reuniu os comentários apresentados pelos participantes e fez ponderações pertinentes ao curso. Cidadania  A juíza Dênia Francisca Corgosinho Taborda discorreu sobre as atribuições e características do setor de cidadania dos Cejuscs. Destacou que se trata de um setor novo e muito importante, porque atua diretamente no sentido de resolver conflitos antes da judicialização. "É a porta de entrada do cidadão ao Judiciário", disse a juíza.  As oficinas realizadas durante o curso foram positivas, porque vários juízes apresentaram práticas que devem ser padronizadas pelo Nupemec. A juíza Dênia Taborda entende que o Cejusc deve atuar como setor de encaminhamento qualificado ao cidadão. O Cejusc é importante porque leva para o Judiciário situações que anteriormente não eram apresentadas. Um exemplo citado pelo magistrada é o cadastramento em alguns fóruns para o recebimento de auxílios emergenciais pagos pelo governo por conta da pandemia de covid-19. A juíza Dênia Taborda relatou as iniciativas voltadas para a cidadania nos Cejuscs A magistrada, contudo, pontuou que as especificidades das comarcas devem ser levadas em consideração para a implementação de atividades nos setores de cidadania nos Cejuscs. Como exemplos de eventos a serem realizados no setor de cidadania, a juíza Dênia Taborda citou casamentos comunitários, registros públicos e palestras. Sessões de conciliação por videoconferência O juiz Clayton Rosa de Resende abordou a realização de sessões de conciliação e mediação por videoconferência. O tema tratado foi a possibilidade de torná-las frequentes após a pandemia de covid-19. Mas o magistrado reconheceu que há dificuldades para sua realização, entre elas, questões técnicas. Ele adiantou que o TJMG tem procurado adquirir novos equipamentos, que devem chegar nos próximos dias. O juiz Clayton Rosa de Resende abordou os desafios da videoconferência para realização de audiências Outro ponto destacado pelo magistrado foi a resistência inicial diante da mudança de rotinas de trabalho, o que tem sido atenuado. O uso da criatividade, diante das dificuldades, é fator determinante para bons resultados alcançados nas atividades dos Cejuscs no atual momento, frisou o juiz. Entre os pontos positivos da realização de sessões de conciliação por videoconferência, Clayton Rosa de Resende acentuou a falta de deslocamentos, mais economia e celeridade. Segundo os participantes da oficina, outro aspecto favorável é que as sessões virtuais deixam as pessoas mais tranquilas, o que pode favorecer a possibilidade de conciliação. Como um dos pontos negativos, alguns juízes que participaram da oficina relataram a falta do “olho no olho”, o que, segundo eles, facilita uma conciliação, por ser mais assertivo.   Acordo pré-processual O juiz Juliano Carneiro Veiga destacou, durante o encontro, o alinhamento de algumas iniciativas. Ele abordou a possibilidade de homologação de acordos externos ou acordos pré-processuais, antes da judicialização do conflito. "Tal iniciativa seria um filtro à excessiva demanda processual presente no Judiciário", disse. "Quanto aos acordos externos, eles podem ser homologados com uma audiência de homologação", explicou.  O juiz Juliano Veiga foi o responsável por abordar temas relacionados à homologação na fase pré-processual nos Cejuscs Um ponto que suscitou pergência foi a participação de advogados na homologação de acordos pré-processuais. A opinião majoritária é que essa participação é facultativa, sendo apenas recomendada. "Quanto ao valor da causa não há limitação", ressaltou o magistrado da Comarca de Muriaé. Ou seja, não prevalece uma limitação a até 40 salários mínimos, como alguns juízes entendiam. Falta regulamentar a cobrança de custos e despesas no pré-processual. Outra colocação apresentada no encontro foi dispensa da formalização da audiência de conciliação nos casos em que já se tentou o acordo pelo pré-processual. Gestão dos Cejuscs O juiz Júlio Ferreira Andrade falou sobre a equipe dos Cejuscs e suas atribuições. O magistrado disse ser imprescindível tratar da gestão de trabalho. Ele destacou que, na maioria dos fóruns, o que prevalece é a superação de dificuldades. Os Cejuscs, segundo disse, apresentam um trabalho de qualidade à sociedade.  O juiz Júlio Ferreira Andrade falou sobre a estrutura dos Cejuscs Ele lembrou que há problemas comuns na maioria dos centros, como falta de recursos humanos qualificados, mas que devem ser solucionados em breve, disse. O magistrado citou o empenho de colegas em buscar apoio de faculdades para fazer o Cejuscs funcionarem. A atividade foi aberta pelo 2º vice-presidente do TJMG e superintendente da Ejef, desembargador Tiago Pinto. O  magistrado parabenizou a iniciativa voltada para a ampliação do conhecimento, principalmente, dos juízes que atuam nos Cejuscs, que buscam a solução consensual de conflitos. Assista à aula síncrona e saiba mais sobre conciliação.  
21/10/2020 (00:00)
Visitas no site:  2394356
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia